Festival do Umbu celebra a força da agricultura familiar do semiárido

  • Festival do Umbu celebra a força da agricultura familiar do semiárido
  • Festival do Umbu celebra a força da agricultura familiar do semiárido
  • Festival do Umbu celebra a força da agricultura familiar do semiárido
  • Festival do Umbu celebra a força da agricultura familiar do semiárido
  • Festival do Umbu celebra a força da agricultura familiar do semiárido
  • Festival do Umbu celebra a força da agricultura familiar do semiárido
  • Festival do Umbu celebra a força da agricultura familiar do semiárido
  • Festival do Umbu celebra a força da agricultura familiar do semiárido
  • Festival do Umbu celebra a força da agricultura familiar do semiárido
  • Festival do Umbu celebra a força da agricultura familiar do semiárido

O umbuzeiro, considerado a ‘árvore sagrada do Sertão’ pelo escritor Euclides da Cunha, é celebrado durante a 10º edição do Festival do Umbu, que reúne até este sábado (28), no município de Uauá, no sertão baiano, agricultores familiares, representantes do governo estadual, dos municípios da região, associações, cooperativas, estudantes e empreendimentos de diversas regiões do semiárido e público em geral.

O Festival do Umbu é um tradicional evento que busca promover a agricultura familiar e a economia solidária, organizado pela Cooperativa Agropecuária Familiar de Curaçá, Uauá e Canudos (), com o apoio do Governo do Estado, por meio da Companhia de desenvolvimento e Ação Regional (CAR), empresa pública vinculada à Secretaria de Desenvolvimento Rural (SDR),

A abertura do festival aconteceu nesta sexta-feira (27), na Praça João Batista, no centro da cidade de Uauá, com a presença do secretário estadual de Desenvolvimento Rural (SDR), Jerônimo Rodrigues, representando o governador Rui Costa. Na ocasião, Rodrigues entregou 100 mil mudas de palmas forrageira, que irão beneficiar 100 famílias de agricultores do município. “Estamos muito agradecidos com a entrega das mudas de palma, porque sem ela não dá para criar os caprinos e ovinos, e melhorar a renda. Ela é muito importante”, ressaltou Bruno Cardoso, da Comunidade São Paulinho, de Uauá.

“A 10ª edição nos dá um conforto muito grande porque significa que a iniciativa das associações, cooperativas, lideradas pela Coopercuc, tem futuro. Mesmo com as situações difíceis dessas edições, com anos de seca, esse festival resistiu porque tem contribuição em ter um significado para as pessoas que participam dele”, afirmou o titular da SDR.

Convivência e resistência

Rodrigues ressaltou que o festival é um exemplo positivo de convivência com a seca: “A Bahia tem uma Lei de Convivência com o Semiárido que é diferenciada, pois foi criada, elaborada e montada com participação da Assembleia Legislativa, das entidades, de universidades e estudiosos, mas também com agricultores, com suas representações. Esse evento é uma resistência com qualidade de vida, aqui as pessoas resistem com felicidade por saber que as coisas irão melhorar. Nós temos que resistir para mudar esse cenário”.

Denise Cardoso, presidente da Coopercuc, pontuou que o Festival é um espaço de construção de políticas pública, de defender a agricultura familiar e reafirmar que o Semiárido é um lugar viável para viver: “Essa é uma edição histórica para nós, afinal, o festival completa dez anos. A escolha do tema Alimentação e Sustentabilidade se deu por conta do momento que estamos vivendo no mundo, a questão da discussão sobre sustentabilidade, principalmente trazendo para o foco do alimento, pois nós somos uma cooperativa da agricultura familiar, localizada no meio do semiárido e temos mostrado, ao longo desses 14 anos, numa região extremamente seca, que é possível produzir, se alimentar e comercializar produtos de qualidade” observa Cardoso.

Outras entregas

O evento também contou com a entrega de doze Cadastros Estaduais Florestais de Imóveis Rurais (Cefir) e entregas da Secretaria de Promoção da Igualdade Racial (Sepromi), com presença da secretária Fabia Reis: “Hoje o Governo do Estado reafirma o nosso compromisso em continuar com essa política. Entregamos 57 certificações das comunidades tradicionais, o que significa dizer que é o primeiro passo em que eles estão abrigados quanto sujeitos de direito da política estadual de povos tradicionais. Nosso sentido é reafirmar a identidade desses povos, a sua cultura, a forma de organização social do trabalho”.

A 10ª edição do Festival do Umbu é uma realização da Cooperativa Agropecuária Familiar de Canudos, Uauá e Curaçá e conta com apoio do Governo do Estado da Bahia, das Prefeituras de Uauá, Canudos e Curaçá, das organizações parcerias e de agricultores e agricultoras e visitantes que estão colaborando para o sucesso do evento. A programação segue até amanhã (29), com visitação a estandes de exposição e comercialização de produtos de diversos grupos do semiárido, painéis de discussões e apresentações culturais.

O evento conta também com o apoio das secretarias estaduais de Promoção da Igualdade Racial (Sepromi), do Trabalho, Emprego, Renda e Esporte (Setre), do Meio Ambiente (Sema), Justiça, Direitos Humanos e Desenvolvimento Social (SJDHDS), Ciência, Tecnologia e Inovação (Secti) e da Agricultura, Irrigação e Reforma Agrária (Seagri).

Estiveram presentes Naidson Baptista, da Articulação Semiárido Brasileiro (ASA), Haroldo Schistek, idealizador do Instituto Regional da Pequena Agropecuária Apropriada – IRPAA, e os deputados Fátima Nunes, Zó e Afonso Florence.

Fonte: Ascom/ SDR

 

Kátya Elpydio4979 Posts

Criei o Borimbora com o objetivo fundamental de fazer com que você esteja sempre à frente do seu tempo no que diz respeito à comunicação na sua totalidade. Nenhum de nós é TÃO BOM quanto todos nós JUNTOS!

0 comentários

Deixe um comentário

Login

Bem vinda! Entre na sua conta

Lembre de mim Perdeu sua senha?

Lost Password